....

"A vida é a arte do encontro, embora haja tanto desencontro pela vida"
( Vinícius de Morais)

16 maio 2009

Caetano está para Kuduro assim como..


Por Rafael Filho



Os amantes do pagode baiano agora contam com um argumento de peso. Na divulgação do seu mais novo álbum Zii e Zie’, Caetano elogia o pagode baiano e diz se orgulhar dessa geração. Bem, dentro desse contexto de complexidade e exoterismo antagônicos, elogios como " muito interessante" , "livres sonoramente" e "criativos", podem comportar e sugerir traduções variadas.

Marque a opção MAIS correta:

a) Pagode baiano não é música, é rítmo;
b) Suas letras estão se deteriorando ao longo do tempo;
c) 90% das bandas de pagode não vingam porque se valem de letras de dúbio sentido e denigrem a imagem da mulher e da postura do homem no cenário atual;
d) Adorado pela parte menos favorecida da população, e ou, por boa parte dos adolescentes que possuem quase pouca ou nenhuma base cultural;
e) Todas as respostas anteriores são verdadeiras;
f) “A melhor coisa do mundo é pagode baiano" ( Caetano);


Pois é, a frase "cada macaco no seu galho" de Riachão nunca foi por mim tão bem colocada."Eu sempre achei que o Tchan ia dar em riquezas. Harmonia do Samba. O ensaio do Psirico. Um ensaio do Psirico é sempre o bicho. Colagem de performances com percussão preciosa. Aquela música do “cabelo fica massa, êta, fica massa”, do Pretubom é o que há de bom. Kuduros de Fantasmão e Márcio Vítor: sempra a volta à chula”, disse Caetano.

Eu digo: Pena que o Tchan não conseguiu sustentar o seu sucesso. Há males que vem para o bem.